Publicado por: Evaldo Oliveira | Setembro 30, 2016

CHECK POINT CHARLIE, o termômetro da guerra fria

Depois da divisão da Alemanha entre os aliados, a Alemanha Oriental resolveu construir, da noite do dia 12 para a manhã do dia 13 de agosto de 1961, o muro de Berlim. Nesse dia os berlinenses acordaram com um muro cortando a cidade.

Dividida a capital da Alemanha, havia a necessidade de uma passagem ou posto militar para facilitar o trânsito de estrangeiros e membros das Forças Aliadas da Alemanha Ocidental para o lado oriental da cidade.

Foi exigido que a Alemanha Oriental construísse passagens, que se tornariam fronteiras dentro de Berlim. Aí surgiu o Check Point Charlie. Charlie não se refere ao nome de uma pessoa, mas à representação da letra C no alfabeto militar da OTAN (A seria alpha e B beta). Eram três fronteiras ou passagens.

dsc01951

Na entrada, uma placa onde se lia “Você está deixando o setor americano” servia de aviso e sugeria precaução.

checkpointcharlie_placaFoto da internet

Dois meses depois da construção do muro – no dia 27 de outubro de 1961 -, Edwin Allan Lightner, chefe-assistente da missão americana de Berlim, foi barrado no Checkpoint Charlie ao tentar assistir a uma ópera do lado oriental. Imediatamente, no local, tanques de guerra soviéticos e americanos se encaravam feito demônios de aço e pólvora. Foi preciso muita diplomacia para resolver a pendência. Nikita Khrushov e Kennedy tiveram um encontro no local, fechando um acordo.

checkpoint-700x416

800px-khrushchev_and_kennedy_shaking_hands_-_nara_-_193204-700x460Foto internet

O lado romântico do checkpoint ficava por conta do Café Águia (Cafe Adler), situado exatamente nas proximidades do Checkpoint Charlie. Lá, oficiais aliados e visitantes observavam o lado oriental. O local era, de fato, um excelente ponto de observação, enquanto degustavam algumas delícias da cozinha alemã servidas na casa.

Na esquina da rua Friedrichstrasse, onde os tanques ficaram cara a cara, alguns atores encenam um ritual que, visto com as lentes coloridas do hoje, torna-se engraçado. Podemos tirar fotos com eles, e até brincar. Pagando, claro.

dsc01952

Rua Friedrichstrasse. Ontem, tensão e medo. Hoje, perplexidade e risos.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

 


Responses

  1. Visitei hoje pela primeira vez o blog e já virei fã! Show de bola… parabéns!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: