Publicado por: Evaldo Oliveira | Março 4, 2016

A BARCAÇA, O BARCACEIRO, O RIO, O MAR

 Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma

                                            ventania.

                                            Depende de quando e como você me vê passar.

Clarice Lispector

Não sabia quantas velas tinha uma barcaça. Não sabia qual o seu calado médio, como também não sabia quantos eram seus tripulantes, e suas funções. Os nomes de suas velas? Também não sabia. Mesmo criado na Rua da Frente, esses detalhes não passavam pela rua onde moravam os interesses de uma criança.

Quantas vezes, voltando da escola, fiquei a contemplar a movimentação das barcaças e suas velas gris com cheiro de maresia. Olhando do patamar da igreja, quase encobriam o manguezal do outro lado do rio. Vez por outra tínhamos a visão de três ou quatro delas passando ao mesmo tempo, parecendo imensos cágados marinhos disputando uma corrida à centopeia. A centopeia é um bichinho esquisito. As pessoas acham que ela tem cem pares de pernas, mas na realidade esse número é variável, entre 15 e 191, e sempre ímpar. Jamais tem cem. Por quê? Não sei. Mas sei da emoção que a visão de uma barcaça distante trazia ao meu coração de criança, inseguro dos sentimentos, analfabeto funcional na descrição de algo que é corpo e vida de minhas lembranças mais antigas.

Foto Barcacas

Criança, também não imaginava que aquelas velas haviam sido içadas por braços fortes e rudes, com a cor marcada por um laser-sol abrasador, surdo a todas as vozes de comando. Também não sabia que os movimentos das  cordas e das velas, orientados por uma rotina de suores, medos e atos de bravura, deixavam lonas em desalinho sobre um convés lavado pelas águas de todas as marés, em conluio com o mar que as espreita.

Hoje, sem qualquer esforço, consigo imaginar o rio Ivipanim de minha meninice sendo retalhado por quilhas de todas as procedências, por iates de todos os calados, oriundos de portos distantes, com suas velas diferentes, e a maioria com histórico de vitórias sobre grandes tempestades, ventos fortes, ondas ameaçadoras, muitas vezes observados de longe por gaivotas displicentes e famintas, apenas preocupadas com o jantar dos filhotes.

Não sabia da subordinação e obediência das embarcações à ditadura das boias, com suas mensagens codificadas em seus olhos de vagalume, piscando na escuridão das noites em que a vontade de chegar, sob o império da maré cheia, encobria a saudade que pulsava em corações comprometidos. Outros, ansiosos por futuros e fortuitos encontros na penumbra de uma luz vermelha, embalados pela voz de um cantor brega que ribombaria na madrugada praieira, sob o ritmo de coqueiros loucos e descabelados, agitados pelo impiedosos ventos de agosto.

Sentado em minha escrivaninha, degustando um vinho branco da região do Minho, tendo gravado na mente o playback de Menino Guerreiro, reedito com emoção os versos de Gonzaguinha, imortalizados na voz de Fagner: guerreiros são pessoas, são fortes, são frágeis; guerreiros são meninos no fundo do peito. Precisam de um descanso, precisam de um remanso, precisam de um sonho que os tornem perfeitos.

Hoje, aprendi muito sobre barcaças, ao ler a crônica do Comandante Antonio Miranda, e cheguei a mais uma constatação: os barcaceiros de Areia Branca-RN foram domadores de rios e mares, condutores da riqueza de nossa cidade.

O sal por testemunha.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN


Responses

  1. Vejam só as coincidências.Sentado à mesa de bar improvisada em meu quarto, degustando um tinto J P Azeitão, da península de Setúbal, lendo uma crônica de Evaldo Alves de Oliveira sobre barcaças e barcaceiros, penso cá com meus botões: Quem sabe, uma daquelas barcaças visualizadas pelo menino Evaldo não era pilotada (conduzida) pelo velho marinheiro, mestre prático João Figueiredo? Nunca saberemos, mas vale a pena soltar a imaginação.
    PS – João Figueiredo, meu avô materno.

  2. Guilherme, vamos embarcar nessa nave e, Jasão ou um deus olimpiano, saiamos em busca do nosso velocino de ouro. Em vez de A Expedição dos Argonautas, poderia se chamar Aventura dos Amigos de Chico Novo.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: