Publicado por: Evaldo Oliveira | Julho 3, 2015

KAIROS, UM BELO JOVEM, UM DEUS LOCAL

Em minha última passagem por Natal, ouvi uma expressão estranha, uma palavra que logo considerei equivocada. Em uma revenda de automóvel, o vendedor dizia para seu cliente: então, o senhor vai ficar com esta Kairos? E apontava para uma camioneta novinha, que mais parecia um cãozinho à espera de adoção. Logo imaginei que aquele rapaz estava deturpando a pronúncia do nosso Quíron, o centauro mais festejado da mitologia grega. Kairos, então, seria uma corruptela de Quíron?

Quíron era considerado um médico magnífico e um experimentado cirurgião. Foi a ele que Apolo entregou Asclépio, que viria ser o deus da Medicina, nascido da primeira cesariana da história da humanidade. Era filho de Apolo com a mortal Corônides, que o traiu com Ísquis. Corônides foi morta pela irmã de Apolo, a mando deste, e a criança foi retirada de seu ventre após a morte. O centauro repassou seus conhecimentos de medicina e cirurgia para Asclépio, que se tornou um médico tão surpreendente que Hades, o deus do submundo – dos mortos – pediu a Zeus que determinasse que seus ciclopes fulminassem o médico com seus raios. Indignado, Apolo sequestrou os ciclopes de Zeus e só os devolveu depois de ter o filho de volta, agora como um semideus. Os mortais não podiam ser deuses.

Visitando Dubrovinik, a mais bela cidade da Croácia e uma das mais encantadoras do mundo, fui ver uma exposição sobre o deus grego da cidade. Logo na entrada do museu, uma surpresa. No alto da porta, em destaque, a palavra Kairos, concebido como um belo jovem de cabelos revoltos, e desnudo.

Kairos, imagemKairos, imagem da internet

Na mitologia grega, Kairos é um atleta de características obscuras, e representado sempre nu, com mechas de cabelo caindo sobre a testa, mas a sua nuca é calva. Significa que ele somente pode ser pego pelos cabelos, em sua passagem por nós; uma vez tendo passado, é impossível alcançá-lo, pois a ausência de cabelos na nuca impede que seja agarrado por trás. Filho de Cronos (os termos cronologia e cronômetro derivam de seu nome), o deus do tempo e das estações, Kairos era descrito como um jovem que não se preocupava com as horas, o calendário e o tempo cronológico.

Kairos EvKairos em meio a outras lembranças de viagem

Um jovem desnudo.

Um deus local. Pode isso, Homero?


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: