Publicado por: Evaldo Oliveira | Outubro 19, 2013

A MÚSICA E UMA POBRE AVE

O menino andava desconfiado. Todos os passarinhos que trazia para casa, presos em gaiolas, fugiam no dia seguinte. É que eles aprendem a abrir a portinhola, meu filho, dizia sua mãe com a cara mais santa deste mundo.

Percebendo que não poderia manter os passarinhos em casa, pois eles logo aprendiam o caminho da liberdade, o menino começou a se interessar por esses pequenos seres.

Ouvira falar do canto estranho de uma ave agourenta; procurou saber se em seu município havia acauã, e descobriu que essa ave não baixava por aqueles rincões. É uma ave do sertão, disseram. Por ali, além dos massaricos, alguns passarinhos cantadores apareciam nos pés de cajarana, em mangueiras, goiabeiras, em especial em Upanema. Na Rua da Frente, garças fugidias escapavam dos manguezais para se exibir voando rasteiro sobre o rio, com seu branco cor de sal e seu canto monótono.

Mais tarde, o assunto retornaria à mente do agora ex-menino, puxado uma bela música de Luiz Gonzaga, em que incriminava o pequeno animal de ser agourento, de atrair a seca, chamar a miséria e a desgraça. Por conta disso, nunca gostei do acauã.

Acauã, acauã vive cantando

Durante o tempo do verão  

No silêncio das tardes agourando

Chamando a seca pro sertão

Chamando a seca pro sertão

Acauã, Acauã,

Teu canto é penoso e faz medo

Te cala acauã,

Que é pra chuva voltar cedo

Que é pra chuva voltar cedo

Toda noite no sertão 

Canta o João Corta-Pau

A coruja, a mãe da lua

A peitica e o bacurau

Na alegria do inverno

Canta sapo, jia e rã

Mas na tristeza da seca

Só se ouve acauã

Só se ouve acauã

O canto do acauã talvez traga consigo um pouco de tristeza, mas traduz em vida e energia a pesada lida do trabalhador rural. O langor contido no canto do acauã, o ex-menino descobriria alguns anos depois, em uma estranha ladainha. Nela, uma estrofe eleva o canto dessa ave à condição de instrumento de acalanto, com poder apaziguador, de relaxamento, ao tempo em que leva paz ao homem do campo:

Benditos passarinhos cantadores

Que enfeitam a manhã do meu Senhor

O canto do acauã diz-se ser triste

Mas tenta amenizar nosso labor.

 

Uma canção. Uma injustiça a um pequeno ser. Bulling?

 

 

 

 


Responses

  1. Seu texto me recorda o final de um soneto que fiz concluir assim:
    “… Sem penas, vive; e, sem pena, vivo. / Do meu desejo ele é cativo / Enquanto eu, cativo do desejo…”


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: